Parlamentar Questiona no STF Retirada de Projetos que Beneficiam a Justiça do Trabalho

Mandado impetrado pelo Deputado Miro Teixeira ressalta que o Presidente da Câmara, ao tomar conhecimento da decisão judicial, deveria observá-la

O Deputado Miro Teixeira (REDE-RJ) impetrou, nesta terça-feira (11/10), Mandado de Segurança (MS) perante o Supremo Tribunal Federal (STF) contra ato do Presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM/RJ) que, ignorando liminar deferida pela Ministra Delaíde Miranda, do Tribunal Superior do Trabalho (TST), deu prosseguimento aos atos de devolução de 32 projetos de lei de interesse da Justiça do Trabalho à origem, conforme pedido do presidente do TST, Ministro Ives Gandra Filho. O MS recebeu o número 34454 e está sob a relatoria do ministro Teori Zavascki.

A decisão da Ministra Delaíde Arantes atendeu a pedido formulado pela Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (ANAMATRA), na semana passada, no Mandado de Segurança Coletivo (MSCol) 21202-52.2016.5.00.0000 perante o Órgão Especial do TST. No Mandado, a ANAMATRA ressaltou que o Presidente do TST não possuía competência para dispor, individual e monocraticamente, sobre projetos de lei que foram encaminhados ao Congresso após deliberação do Órgão Especial do próprio TST, antecedida de análise do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT) e pareceres do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).



O Mandado impetrado pelo Deputado Miro Teixeira ressalta que o Presidente da Câmara, ao tomar conhecimento da decisão judicial, deveria observá-la. “Deu-se a suspensão da eficácia dos atos praticados pelo presidente do TST em sede jurisdicional, sob o fundamento de que ele havia praticado ato ilegal e abusivo, sem deter competência para tanto e, por consequência, usurpando a competência do Órgão Especial do TST”. Ainda de acordo com a peça, caberia também ao presidente da Câmara verificar a existência de deliberação do TST.



Para o Presidente a ANAMATRA, Germano Siqueira, a expectativa da entidade é positiva. “O grave cenário de estrutura da Justiça do Trabalho pressupõe uma solução urgente, sob pena de afetar a celeridade da prestação jurisdicional prejudicando, ao final, o destinatário da Justiça, que é o jurisdicionado”, informa. Um dos exemplos desse cenário, segundo o magistrado, é a 3ª Região (Minas Gerais), que computa déficit de pessoal de 60% na primeira instância, o que vem afetando as taxas de congestionamento, bem como de absenteísmo de juízes e servidores por questões relacionadas a saúde.



 Clique aqui confira a íntegra do MS 34454

*Notícia originalmente publicada pela ANAMATRA




Publicado: 13/10/2016



MAPA DO SITE

AMATRA XV Transparência Informações Serviços Publicações
• Sobre
Diretoria Atual
Comissões
   Extraestatutárias

Galeria de Presidentes
• Magistrados
Estatuto
ESMAT 15 –
   Escola Associativa

• TJC –Trabalho, Justiça
   e Cidadania
Radar da Cidadania

• Atas
    •
    •
    •
    •





Calendário Institucional

Eventos

Notícias
• Associados
    •
    •
    •
• Arquivos de Decisões
    •
    •

Links Jurídicos
• Listas de Discussões
    •
    •


Webmail
Artigos Científicos
Jornal

Obras de Associados
Revista
TV AMATRA XV


Copyright © 1998~2018 • AMATRA 15 - Todos os direitos reservados
Rua Riachuelo, 473 conjs. 21 e 22 (Bosque) - CEP: 13015-320 - Campinas (SP) - Brasil
Fone: (19) 3251-9036 - E-mail: falecom@amatra15.org.br

Desenvolvido por