ANAMATRA pede reconsideração de decisão em PCA que trata da interferência nas decisões judiciais pela Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho

Pedido é dirigido ao relator, Conselheiro Valtércio de Oliveira, do CNJ

A ANAMATRA apresentou nesta semana, ao conselheiro Valtércio de Oliveira, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), recurso administrativo no PCA nº 0000535-26.2018.2.00.0000, pedindo a reconsideração da decisão que determinou o arquivamento do referido processo. O procedimento impugna o art. 13 do Regimento Interno da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho (RICGJT) que permite interferência nas atividades jurisdicionais dos juízes do Trabalho, com reforma ou cassação de decisões judiciais, em afronta à competência e à independência funcional da Magistratura do Trabalho.

Sobre a decisão do conselheiro, a ANAMATRA pondera que o tema em debate deveria ser objeto de julgamento pelo Plenário do CNJ (e não de mera decisão monocrática), conforme previsto nos artigos 91 e 98 do Regimento Interno do Conselho. “O relator possui o poder-dever de ordenar e dirigir o procedimento e, ao término da instrução, incluir em pauta para julgamento”, destaca a Associação.

Além disso, sobre o entendimento do conselheiro – de que a demanda não poderia ser conhecida, em razão da judicialização da mesma questão no Supremo Tribunal Federal (ADI nº 4.168), que impediria a discussão perante o Conselho –, a entidade afirma que as demandas não são idênticas, pois no PCA busca-se a declaração de ilegalidade do artigo 13 - donde o manejo do PCA -, enquanto que na ADI, ainda não julgada, objetivou-se a declaração da própria inconstitucionalidade do dispositivo.

Sobre o pedido - No PCA, a ANAMATRA suscita ser indevida a invasão correcional superior no âmbito das competências materiais da Magistratura do Trabalho, o que agride a independência funcional dos juízes.  O dispositivo impugnado, que versa sobre a Correição Parcial no âmbito da Justiça do Trabalho, é de latente ilegalidade, à vista da própria LOMAN, que estatui os limites da atividade correcional dos tribunais. A entidade requer, assim, que o malsinado dispositivo do RI-CGJT tenha sua eficácia cautelarmente suspensa, na medida em que reformas de decisão judicial têm ocorrido reiteradamente no seio de procedimentos administrativos de correição.

No mérito, o pedido da ANAMATRA é no sentido da ilegalidade do ato normativo, para tornar sem efeito as correições parciais instauradas, com fundamento no art. 13, “considerando que a atividade censória da Magistratura deve observar as diretrizes delineadas no art. 40 da Lei Orgânica da Magistratura (LOMAN) e não se imiscuir na esfera de competência do juiz, ensejando prejuízo à independência técnica”.

“Há nítido interesse geral neste PCA, pois interessa a todos os magistrados do Trabalho, os quais estão sendo ameaçados e coagidos por atos administrativos ilegais emanados da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho; aos jurisdicionados em sentido amplo, os quais estão sendo surpreendidos por decisões do órgão sensor, proferidas fora da sua órbita de atuação; e ao Ministério Público do Trabalho, que noticiou, nos autos do PP nº 0000728-41.2018.2.00.00, a utilização do instrumento da Correição Parcial em situação não prevista em Lei e contrária ao RICGJT, o que tem provocado prejuízos às partes, tumulto processual e graves danos ao regular e legal andamento das ações”, reforçou no recurso.

*Notícia originalmente publicada no site da ANAMATRA.




Publicado: 28/03/2018



MAPA DO SITE

AMATRA XV Transparência Informações Serviços Publicações
• Sobre
Diretoria Atual
Comissões
   Extraestatutárias

Galeria de Presidentes
• Magistrados
Estatuto
ESMAT 15 –
   Escola Associativa

• TJC –Trabalho, Justiça
   e Cidadania
Radar da Cidadania

• Atas
    •
    •
    •
    •





Calendário Institucional

Eventos

Notícias
• Associados
    •
    •
    •
• Arquivos de Decisões
    •
    •

Links Jurídicos
• Listas de Discussões
    •
    •


Webmail
Artigos Científicos
Jornal

Obras de Associados
Revista
TV AMATRA XV


Copyright © 1998~2018 • AMATRA 15 - Todos os direitos reservados
Rua Riachuelo, 473 conjs. 21 e 22 (Bosque) - CEP: 13015-320 - Campinas (SP) - Brasil
Fone: (19) 3251-9036 - E-mail: falecom@amatra15.org.br

Desenvolvido por