CORONAVÍRUS: Juiz do Trabalho determina providências para manter hospital em funcionamento

O Hospital Geral de Campinas é réu em 95 ações trabalhistas que se encontram na fase de execução. As dívidas reconhecidas são de aproximadamente R$ 7.000.000,00

Em ACP movida pelo MPT (PRT-15) em face do Hospital Geral de Campinas (Processo 0010365-44.2020.5.15.0043), o Juiz do Trabalho Rafael de Almeida Martins, Coordenador da DIVEX Campinas, determinou a penhora do estabelecimento, atingindo bens, ativos e direitos, e nomeou Administrador Judicial por pelo menos 6 meses.

Administrador Judicial é pessoa escolhida pelo Juiz que passa a gerir o estabelecimento, prestando contas no Processo. O objetivo: pagamento das dívidas sem encerramento das atividades.

“A manutenção do hospital em funcionamento garante um atendimento de qualidade à população. Além disso, o encerramento das atividades poderia prejudicar o próprio pagamento de salários aos profissionais da saúde que tanto se dedicam ao combate do coronavírus neste momento de pandemia é que também tem que se preocupar com a manutenção de sua família que já não conta com a presença de seu provedor”, disse o Juiz.

Rafael de Almeida Martins estabeleceu várias regras, dentre elas: contato do Administrador Judicial com planos de saúde, assegurando recursos à continuidade do Hospital, e com INSS, Receita Federal e Polícias Federal e Militar, para solicitar os auxílios necessários; levantamento de todas as dívidas e patrimônio dos réus; elaboração de um relatório, resumindo receitas e despesas, e de um plano de administração que priorize pagamento de salários dos empregados do Hospital.

Conforme a decisão, cabe ao Administrador Judicial apresentar “ao menos, duas propostas alternativas de providências, que tenham por objetivo sanar a administração, permitir a continuidade dos negócios e quitar paulatinamente o passivo trabalhista”.

O Juiz agendou audiência para esta segunda, 30/3, às 15h15, que vai ser realizada por meio eletrônico (não presencial).

Para ler a decisão, clique aqui.

Entenda o caso

O Hospital Geral de Campinas é réu em 95 ações trabalhistas que se encontram na fase de execução. As dívidas reconhecidas são de aproximadamente R$ 7.000.000,00. Na ação objeto da notícia, é informado o descumprimento de diversos direitos trabalhistas, com recolhimento do FGTS.

Segundo o MPT, o Hospital conta com 40 leitos, sendo 9 de UTI adulto, 6 de UTI pediátrica e 25 de enfermaria, mais 3 salas cirúrgicas. Sua capacidade mensal é de 700 a 800 procedimentos com internação e 10.000 procedimentos de pronto atendimento. Daí a importância de se manter em funcionamento, apesar da situação financeira e do volume de dívidas trabalhistas, principalmente nesse momento de pandemia. 

Lista de abreviaturas:

ACP: ação civil pública.

MPT: Ministério Público do Trabalho.

PRT-15: Procuradoria Regional do Trabalho da 15.ª Região (Campinas/SP).

DIVEX: Divisão de Execução (obs.: Órgão que atua na fase de execução, ou seja, após o julgamento, quando ocorre a penhora de bens do devedor, leilão desses bens, pagamento das dívidas etc.).

INSS: Instituto Nacional do Seguro Social.




Publicado: 30/03/2020



MAPA DO SITE

AMATRA XV Transparência Informações Serviços Publicações
• Sobre
Diretoria Atual
Comissões
   Extraestatutárias

Galeria de Presidentes
• Magistrados
Estatuto
ESMAT 15 –
   Escola Associativa

• TJC –Trabalho, Justiça
   e Cidadania
Radar da Cidadania

• Atas
    •
    •
    •
    •





Calendário Institucional

Eventos

Notícias
• Associados
    •
    •
    •
• Arquivos de Decisões
    •
    •

Links Jurídicos
• Listas de Discussões
    •
    •


Webmail
Artigos Científicos
Jornal

Obras de Associados
Revista
TV AMATRA XV


Copyright © 1998~2020 • AMATRA 15 - Todos os direitos reservados
Rua Riachuelo, 473 conjs. 21 e 22 (Bosque) - CEP: 13015-320 - Campinas (SP) - Brasil
Fone: (19) 3251-9036 - E-mail: falecom@amatra15.org.br

Desenvolvido por